Somos feitos das nossas escolhas

Ter que fazer escolhas, nos paralisa. Barcelona ou Madri, viajar ou guardar dinheiro, ter um bom emprego ou ser feliz são motivos para fazer qualquer um perder o sono. Bom seria conhecer Barcelona e Madri, ter um bom emprego sendo feliz e viajar com o dinheiro já guardado para o próximo destino. Mas não. Aprendemos ao nascer, antes mesmo de chorar, que as escolhas fazem parte da jornada. Aliás, a única vez que nos tiraram o direito de escolha, foi no dia em que saímos do ventre de nossas mães. Caso contrário, possivelmente estaríamos lá ainda. Nesse dia, a natureza … Continuar lendo Somos feitos das nossas escolhas

Não precisa de coragem pra saltar de bungee jump, precisa de coragem é pra ser bem resolvido

Vai lá e fala. Solta o que tá engasgado. Diz que ama, que sente saudade. Chora de arrependimento, jura que nunca mais e volta atrás na semana que vem. Estende a bandeira branca, acaba essa discussão com um beijo. Acerta as contas com o passado. Procura aquela amiga que te negou o ombro naquele dia que você bateu o carro, quebrou o salto e ainda foi despedida e diz pra ela que tá tudo bem. Que cada um oferece o que tem. Cumprimenta a vizinha com um sorriso. Aquela que vive falando mal de você pra Deus e o mundo. … Continuar lendo Não precisa de coragem pra saltar de bungee jump, precisa de coragem é pra ser bem resolvido

O mundo não precisa de mais espertos

Eu nunca vou parar de acreditar na força do bem, na força do amor. Não importa o que aconteça ou quantas vezes eu ouça que ter um coração gigante faz a gente se dar mal. Ainda que eu escute que isso é ingenuidade ou defeito. Quero morrer cometendo esse erro. Não quero ser esperta. Os espertos são os que jogam sujo e eu não gosto de jogo, nem de sujeira. A luz está no sorriso das pessoas que acreditam. Por isso não machuco outro ser. Se eu o fizer, ainda que me faça sentir bem por algum tempo, também dói … Continuar lendo O mundo não precisa de mais espertos

Não sou de fins, sou de meios, de inícios…

Nunca lidei bem com o fim. O fim do filme, o fim da viagem, o fim do verão, o fim do relacionamento. Aquela parte em que tenho que me desligar, virar a página, apagar as mensagens, as fotos e as lembranças. Sempre pensei que podia, sim, ser diferente. Que o amor não acaba, só muda. E que o dono do meu sorriso pode estar amanhã casado, com três filhos, morando em Madrid e ainda assim ser meu amigo. Que ele pode me contar o que lhe dói, do que tem medo, de como tem sido difícil o inverno europeu. Pode … Continuar lendo Não sou de fins, sou de meios, de inícios…

Mas de você me lembro bem

Tenho pensado na gente. Não como antes. Um pouco menos. Tenho tantas perguntas para fazer. Enquanto não tenho coragem de fazê-las, tenho imaginado respostas. Ensaiado frases, pensado nas coisas que eu poderia falar que fizessem alguma coisa mudar, seja lá o que tenha se quebrado entre nós. Leminski diria “Repara bem no que não digo.” E tenho reparado, confesso. Esse mar de silêncio tem deixado minha imaginação efervescente. E em todas as vezes em que pensei em te procurar e não o fiz, pensei antes se você, talvez, estivesse fazendo a mesma coisa. Admiro o desapego com que tem seguido … Continuar lendo Mas de você me lembro bem